Poço Artesiano - Um pouco de história e informações


POÇOS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA

UM POUCO DA HISTÓRIA E DE INFORMAÇÕES

Queridos leitores, como esse BLOG está sendo desenvolvido para melhores informações, pesquisas, esclarecimentos de dúvidas, discussões, divulgação entre outras coisas, vamos então esclarecer logo uma série de dúvidas e dar melhores informações pra você leitor que queira uma pesquisa simplesmente ou está precisando perfurar um poço.

DEFINIÇÕES:

POÇO PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA.

Obra de engenharia geológica de acesso a águas subterrâneas, executada com Sonda Perfuratriz mediante perfuração vertical com diâmetro variável entre 4” a 36” e profundidade de até 2000 metros, para captação de água.

Denominação dos poços:

  •    Poço perfurado em rochas consolidadas ou cristalinas. Também conhecido como semi – artesiano.
  •  Poço perfurado em rochas inconsolidadas e consolidadas. Pode ser chamado de Poço Misto e também semi – artesiano.
  •   Poço no Aqüífero Guarani. Poço perfurado em rochas consolidadas e inconsolidadas, com grandes diâmetros (até 36”) e  profundidades (até 1.500 metros). Também chamado de artesiano, jorrante ou não.
  •   Poço Sedimentar, perfurado em rochas geralmente inconsolidadas. Pode ser chamado também de semi – artesiano.
Poço artesiano: é assim chamado quando a água obtida jorra naturalmente do solo sem a necessidade de equipamentos para a sua captação. Esse tipo de poço é encontrado no Brasil principalmente em perfurações realizadas no Aquífero Guarani.


Poço semi-artesiano: Nome popular dado ao poço cuja obtenção de água é feita através de equipamentos, tais como: bombas submersíveis, bombas de recalque, bombas manuais, bombas de eixo prolongado entre outras.


Poço raso, cisterna, cacimba ou caipira: Poço tipo cacimba ou “caipira”: Poço cuja a captação de água é feita do lençol freático. A água obtida nesse tipo de captação está sujeita a contaminação tanto química quanto micro biológica e o seu volume é prejudicado em épocas de longa estiagem.

TIPOS DE POÇOS: 
A Figura abaixo representa esquematicamente os tipos de Poços existentes para a captação das Águas Subterrâneas:




Mas afinal, por que chama-se poço artesiano?


 Na verdade a nomenclatura correta é POÇO TUBULAR PROFUNDO, o termo "POÇO ARTESIANO" data do século XII, ano de 1.126, quando foi perfurado na cidade de Artois, França, o primeiro poço desse tipo. Quando a própria pressão natural da água é capaz de levá-la até a superfície, pronto temos um poço artesiano. Quando a água não jorra, sendo necessário a instalação de aparelhos para a captação da mesma, tem-se um poço semi-artesiano. 

Os primeiros vestígios da utilização das águas subterrâneas são de 12.000 anos antes de Cristo. Acredita-se que os chineses foram os primeiros a dominar a técnica de perfurar poços, e na Bíblia existem relatos de escavações para obtenção de água potável.

Desde os primórdios da história das civilizações as águas subterrâneas são utilizadas pelo homem, através de poços rasos escavados. Foi atribuído aos chineses o início da atividade de perfuração. Em 5.000 antes de Cristo, eles já perfuravam poços com centenas de metros de profundidade.


Outros registros indicam que o nome “poço artesiano” surgiu quando habitantes da cidade Grega de Artesiã perfuraram um poço e deste “brotou” água sozinho sem a necessidade de balde para a sua captação. Deste momento em diante, todo poço em que a água jorrava sozinha, passou a chamar-se: Poço Artesiano.
Poço artesiano
Poço tubular profundo cuja pressão da água é suficiente para a sua subida à superfície, atingindo-se um AQUÍFERO CONFINADO, necessitando a instalação de equipamento na boca to tubo para controlar a saída da água e o disperdício da mesma.

Poço semi-artesiano

Poço tubular profundo cuja pressão da água não é suficiente para a sua subida à superfície, necessitando instalação de equipamento no interior do poço para efetuar a bombeamento da água.

O que é interessante ser observado é que ambos não estão relacionados a grandes profundidades
  
Muitos têm idéia da abundância de água no mundo e não conseguem entender os problemas que estão por trás, apresentaremos de uma forma resumida:

Considerando toda a água do planeta, 1 bilhão e 370 milhões de Km3, representada por 1 litro, temos:

1.              Água Salgada = 975 ml, que corresponde a 97,5 %
2.              Água Doce = 25 ml, que corresponde a 2,5 %
3.              Destes 2,5% da água doce que temos apenas 0,4% são de rios e lagos e água retida na atmosfera, 68,7% de geleiras e 30,1% nos aqüíferos, estão invisíveis aos nossos olhos, mas presente na nossa vida. Oculta-se sob a superfície da Terra e é a chamada ÁGUAS SUBTERRÂNEAS.

As águas subterrâneas constituem o maior reservatório de água doce do planeta Terra. Formam-se, essencialmente, a partir da infiltração da água da chuva e, uma vez no subsolo, podem formar toalhas ou lençóis de água quase imóveis, que alimentam as fontes e os poços, ou então circular por entre as fissuras das rochas.

As zonas onde a circulação de água subterrânea é mais importante que os cursos de água de superfície apresentam, em geral, uma morfologia característica denominada cársica.

Existem, no entanto, águas subterrâneas que têm uma origem diferente da infiltração. São as águas juvenis que provêm do interior da crusta, tal como certas águas termais, e aquelas que são retidas nas rochas (água higroscópica e água de retenção).

As toalhas de água são constituídas pelo conjunto da água que ocupa os interstícios das rochas porosas num domínio definido pela sua espessura e extensão. Entre os diversos tipos de toalhas ou lençóis de água podemos considerar as:

  • Freáticas, que ocupam as rochas superficiais permeáveis. O seu nível varia em função das precipitações. Não sendo perfeitamente horizontais, ocupam as irregularidades topográficas dos terrenos onde se encontram. Em clima temperado são principalmente alimentadas pelas chuvas de Inverno (Outubro a Abril) e o seu nível é mais ou menos alto em função da quantidade de precipitação;
  • Cativas, cuja superfície está abaixo do limite superior do tecto da formação geológica que a contém. O tecto é necessariamente impermeável;
  • Artesianas, em que a superfície superior ao nível do solo está situada a um nível inferior ao de certas zonas da parte cativa do lençol de água;
  • Aluviais, que se encontram nos aluviões dum curso de água. Estão mais ou menos relacionados com as águas do curso de água, mas, segundo o grau de permeabilidade dos aluviões, podem ter o seu nível mais elevado que o da água livre.
Links de videos para um melhor entendimento:


Água um patrimônio da humanidade
video

Fontes:

Texto e ilustrações extraídos da cartilha sobre Perfuração de Poços da ABAS - FIESP - DH Perfurações, de autoria de Carlos Eduardo Q. Giampá e Valter Galdiano Gonçales.


Assossiação Guardiã das Águas



Infopédia


SABESP

Nenhum comentário:

Postar um comentário